Pular para o conteúdo principal

Alimentação Saudável. Um hábito que começa na infância


Estes dias perguntei no Instagram e na FanPage se o exemplo da boa alimentação nos faria criar filhos mais saudáveis.

A grande maioria das meninas respondeu que sim, que acabamos sendo o espelho do mundo aos nossos filhos e que não apenas as nossas atitudes, como também aquilo que falamos e o que comemos, acaba contando como "padrão a ser seguido". 

Quantas vezes já vimos nossos filhos imitar algum gesto ou repetir algo que falamos anteriormente? 

A gente nem nota mas eles estão ali, "super esponjinhas ativar", pra captar tudo aquilo que estivermos exteriorizando seja isso bom ou não.

Minha experiência em alimentar o Henrique, meu filho mais velho, foi muito proveitosa.

Desde que a introdução de alimentos foi iniciada aos 6 meses, eu proporcionei que ele experimentasse de tudo um pouco.

Frutas de todos os tipos, legumes, verduras, tudo o que se podia explorar em questão de sabores eu o permiti.

Aliás, venho de uma família que tem o hábito de se alimentar com fartura de alimentos nutritivos.

Na casa dos meus avós, onde passei grande parte da minha infância, sempre tem salada em todas as refeições e de sobremesa: frutas !

Sim, doces a gente só come de sobremesa em festas (e ainda assim tem sempre uma frutinha só pra não perder o costume).

Quando eu digo que sempre tem salada, não estou falando apenas daquela básica de tomate, alface, pepino.

A minha amada vó também nos apresentou à vários tipos de legumes e verduras como: rabanete, chuchu, chicória, almeirão, dentre todas as outras opções que se pode (ou não) imaginar.

Voltando ao Henrique, tentei me utilizar da base que a minha família me trouxe para que ele ao menos soubesse o gosto de cada item de seu prato.

Quando ia apresentar algo novo, que ele ainda não tinha tido o contato  eu dava primeiro a fruta ou a verdura inteira na mão dele.

Primeiro contato com uma maçã !


Ele ia brincando, sentindo a textura do alimento e é claro que depois ia parar na boca.

Depois, quando eu queria que ele pudesse saber o gosto desse mesmo alimento eu picava e deixava os pedaços dispostos em seu cadeirão de alimentação.

Sim, sem prato, sem redinha de alimentação* ! 

Nada além da comida, das mãozinhas e de sua curiosidade.

Sentindo uma banana amassada e colocando na boca para experimentar depois

Minha experiência foi um sucesso ! 

Quando passei a deixar que ele tocasse nos pedaços de pepino, por exemplo, em pouco tempo ele estava comendo quase um inteiro.

E a felicidade de se dar uma espiga de milho na mão dele?

Suja? Sim !

Mancha? Também !

Mas se não experimentar não vai saber se é bom ou não.

E como com criança tudo é brincadeira, eu o deixava brincar e no final do almoço ele tinha comido tudo, e experimentado sabores diferentes.

* No Blog da Nutricionista Karine Durães esta semana tem um texto incrível sobre o uso de alimentadores infantis, confira aqui: http://www.nutricionistainfantil.blogspot.com.br/2013/03/alimentador-nao-obrigada-meu-bebe-nao.html

Outra coisa importante: Não alimentar seu filho com cara de nojo !

Se você não come grão de bico, quando for colocar a comida na boca do seu filho, não faça caretas, não deixe ele notar que você não consegue nem ver aquele tipo de comida.

Não podemos esquecer que as anteninhas deles estão sempre trabalhando e de olho em tudo aquilo que fazemos.

E ao ensinar pro meu filho que é bom comer bem, que faz bem e é muito saboroso, eu criei o próprio menininho do "Brócolis" daquela propaganda antiga.

Henrique não come 1 dia sequer sem que, pelo menos, tenha pepino e tomate no prato.

E eu levo bronca quando por algum motivo não tem na geladeira !!!

Outro dia ele pediu à minha sogra para levar pepino para o lanche da escola. E veio me dizer que ele ia levar o pepino cortadinho e dar um pra cada amigo. Assim eles iam experimentar e saber o quanto era bom e iam pedir para as mães deles também !

Falando em lanche, esse ano ele mudou de escola e, na primeira semana de aula, a professora veio falar comigo que eu estava de parabéns pois ele era o único que levava frutas na lancheira !

Me senti feliz e triste ! Muito feliz pois meu filho está se alimentando corretamente e muito triste pois a maioria das crianças não mantém nenhum hábito saudável nesse sentido.

Claro que Henrique come bobeira, como boa criança que é, mas tem hora pra tudo e na hora de comer a nota dele é 10 !

Concluindo, nosso exemplo é parte importantíssima na alimentação de nossos filhos !

Seja você a mudança que quer ver no mundo ! 

E para a  mudança funcionar de verdade, ela deve começar dentro de nossas casas !

Almoço do Henrique é metade do prato salada e a outra metade o prato principal

Ele faz bagunça mas no final o prato fica limpinho (e o chão sujo mas a gente limpa, se for pra ele comer tudo, a gente limpa feliz)

Se não tiver salada, ele reclama !


Prato limpinho= mamãe feliz !


Um grande beijo e #focanabalança
Lia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Psicóloga: Planejamento

Por Karina Alvarez Lopes e Aragão - Psicóloga
Um grande aliado de qualquer projeto inclusive reeducação alimentar e dieta é o PLANEJAMENTO.
Nós já falamos de motivação, que vêm a ser o primeiro passo, mas conhecer os seus motivos e parar por aí não leva ninguém a lugar nenhum. Depois de listar porque queremos emagrecer,devemos listar como vamos emagrecer .
É interessante lembrar que temos duas grandes questões a serem trabalhadas:
Reeducação alimentarAtividade Física
Para reeducação alimentar devemos ter alimentos saudáveis disponíveis e então levantar os seguintes questionamentos: 
Quem/quando vai comprar?
Quem/quando vai preparar?
Qual o cardápio que vamos seguir?
Quais são as exceções da dieta? 
Lembre-se que, sem planejamento a probabilidade de atacar um pacote de bolacha recheada na hora da fome aumenta exponencialmente, agora, se houver cenourinhas cortadas em palitos disponíveis na hora que bate aquela fominha. fica mais fácil resistir não é mesmo?
Para tanto, minha sugestão é q…

Sorteio Camiseta Foca na Balança

Meninas, hoje estou lançando o primeiro sorteio aqui do Blog.

Iremos sortear uma camiseta Foca na Balança !

A camiseta vai na cor azul e no tamanho G, caso a ganhadora prefira outro tamanho deverá aguardar o prazo de produção de uma nova remessa, que leva cerca de 20 dias.

Se este tamanho estiver ok, o prêmio será enviado em até 2 dias após a confirmação da ganhadora ou do ganhador.

Enviarei, sem custos ao sorteado, pelos Correios na modalidade PAC.

Sortearemos pelo programa Randon.org no dia 19 de abril e o resultado será publicado simultaneamente aqui, na Fanpage e em nosso Instagram.

Cadastrem seus e-mails que mais acessam no formulário pois entrarei em contato e a vencedora (ou o vencedor) terá 48 horas para retornar meu "chamado de confirmação".

Caso passem as 48 horas e eu não consiga o retorno do vencedor, será realizado um novo sorteio.



Para participar é só seguir atentamente as regras abaixo:

1 - Preencher o Formulário Completo

2 - Ter endereço de envio no Brasil

3 …

Meta 1 - Concluída com Sucesso !!

Como toda quarta feira, hoje pela manhã eu me pesei.

Sabia que estava bem perto da minha meta, já que na semana passada a balança marcou 65,8 kg.
A minha meta de número 1, quando comecei o projeto em 13/02, era de chegar no peso que engravidei do meu segundo filho Miguel, os 65 kg.
Mas Lia, você me pergunta, como assim meta número 1?
Eu explico!
Todas as metas devem ser adaptáveis. A gente nunca deve estipular uma meta "x" e pronto.
Se for assim, a gente chega lá (e não importa o quanto demore) e quando chega, faz o que?

Volta à vida de antes?
Nesse raciocínio, tracei 3 metas (e não coloquei prazo para alcançá-las):
1- A mais "fácil" - 65 kg 2 - A de dificuldade média - 62 kg 3 - A muito difícil - Manter o peso eliminado bem longe e tonificar a musculatura (esta última para durar a vida toda).
Pois bem, subi na balança e ela SORRIU o riso mais lindo de todos os tempos marcando:

Sim, Sra e Srs !!!! 64,5 kg !!!!

0,500 a menos do que eu havia estipulado !!!

E como che…